Baço

Coleção: 7

Função:

Apresenta função imunológica e hematológica desempenhados por suas duas polpas, a branca, formada por tecido linfoide que produz e armazena os linfócitos (células de defesa do corpo), e outra vermelha, que destrói as hemácias defeituosas e idosas e armazena células de defesa, liberando-as na circulação quando necessário.

Descrição

       O baço é o maior órgão linfóide. Ele situa-se na região hipocondríaca esquerda, entre o fundo do estômago e o diafragma. Seu tamanho aproximado é de cerca de 12 cm e seu peso é variável. A face diafragmática é lisa e convexa, acompanhando o contorno da face inferior do músculo diafragma toráxico, com a qual estabelece contato. A face visceral tem superfícies gástrica, renal e cólica, em conformidade com os órgãos adjacentes. Os vasos sanguíneos entram e saem do baço através de uma região da face visceral denominada hilo esplênico.

   Como os linfonodos, o baço é envolvido por uma cápsula fibrosa resistente com trabéculas que se projetam para o interior do órgão e o dividem em compartimentos, células musculares lisas estão presentes na cápsula e nas trabéculas do baço.

     No interior dos compartimentos do baço são observadas duas regiões distintas, a polpa branca e a polpa vermelha. A polpa vermelha é a mais abundante, e consiste de seios venosos ramificados separados entre si por colunas de tecido esplênico denominadas cordões medulares. Como outros tecidos linfóides, a polpa vermelha possui linfócitos e macrófagos e também células sanguíneas vermelhas, que lhe fornece a cor característica. Espalhadas pela polpa vermelha estão as massas de polpa branca, cada uma circundando uma arteríola. A polpa branca não apresenta  glóbulos vermelhos, e sim grande quantidade de linfócitos.

O sangue penetra no hilo esplênico  através da artéria esplênica. Ele pode permanecer nos vasos circundados pela polpa branca e penetrar nos seios venosos da polpa vermelha, ou pode atravessar as paredes dos capilares e ser filtrado entre as células do baço antes de penetrar nos seios venosos. Dos seios venosos, o sangue deixa o baço através da veia esplênica e segue para o fígado, pela veia porta do fígado.

O baço atua como um filtro para a corrente sanguínea, muito mais que os linfonodos para a corrente linfática. Como outros órgãos linfóides, o baço produz linfócitos e plasmócitos, que produzem anticorpos contra antígenos invasores. Essas atividades são desenvolvidas principalmente na polpa branca. Além disso, os macrófagos da polpa branca fagocitam glóbulos vermelhos velhos, bem como bactérias e partículas estranhas. O baço constitui um reservatório de sangue, embora com capacidade limitada. Cerca de 200 ml  de sangue contido nos seios venosos da polpa vermelha  pode ser lançado pelo baço no sistema vascular sanguíneo por contração das células musculares lisas da cápsula. Isto pode auxiliar na compensação da perda de sangue ocasionada por uma hemorragia. O baço produz glóbulos vermelhos durante o desenvolvimento embrionário e sob condições especiais, quando a reposição de grande quantidade de células sanguíneas é solicitada.